Tempo seco e problemas respiratórios

30/08/2017 17:40

Os meses do inverno têm tempo seco em grande parte do território brasileiro. Quando a umidade do ar cai para menos de 30% (de acordo com a Organização Mundial da Saúde, o índice ideal é de 60%), aumenta a incidência de problemas como alergias respiratórias e viroses. Para tratar deste assunto, o Pediatra Claudio A. Len responde aos questionamentos mais comuns que surgem nesse período do ano.

Nos últimos meses as chuvas praticamente desapareceram e, com isso, o clima está bastante seco. Quais os principais problemas à saúde das crianças que este clima pode acarretar?
Nos meses com clima seco há um aumento significativo dos problemas respiratórios, especialmente nas crianças pequenas, com menos de 3 anos de idade. Com isto, o número de consultas em clínicas pediátricas aumenta consideravelmente. E os problemas mais comuns são os alérgicos, que incluem a rinite, a laringite e a asma (bronquite) e os infecciosos, como os resfriados, as sinusites e as infecções pulmonares.

O que os pais podem fazer para ajudar a diminuir os riscos de complicações de saúde?
Como o problema está no “ar”, as medidas que os pais podem tomar ajudam parcialmente, especialmente nos casos de crianças alérgicas. Recomendo que os pais ofereçam mais líquidos ao longo do dia. Nos casos de aumento da secreção das vias respiratórias utilizem técnicas simples, como hidratação nasal e inalações com soro fisiológico. E não deixem de procurar um pediatra quando estiverem preocupados com algum sintoma.

Meu filho está com uma tosse seca há semanas. Me indicaram colocar uma toalha úmida no quarto durante a noite e fazer inalação com soro fisiológico. É eficaz?
Depende o que estiver causando a tosse. Acho difícil que os pais consigam de fato saber o que está acontecendo com as vias respiratórias. O Google é uma ferramenta útil para muitas situações, mas pode gerar confusão no caso de diagnóstico médico. Nestes casos, o melhor é marcar uma consulta com o seu pediatra.

Circulou na internet um vídeo de uma mãe lavando o nariz de sua filha com uma seringa sem agulha e soro fisiológico. Funciona mesmo fazer isso?
Para algumas crianças este procedimento ajuda a remover a secreção nasal, para outras não ajuda, pois a secreção não é o que está atrapalhando. E cabe ressaltar que este procedimento pode gerar algum desconforto e, em alguns casos, pode virar até uma verdadeira luta livre entre pais e os filhos, especialmente em crianças menores de 2 ou 3 anos. Recomendo que o pediatra que dá esta orientação ensine os pais a fazerem esta lavagem com cuidado. Afinal, a seringa não foi desenvolvida para isto, mas sim para aplicar injeções. Em algumas farmácias dos Estados Unidos e em outros países há um equipamento especialmente desenvolvido para isto, que parece uma pequena chaleira, que não gera um jato com pressão nas narinas.

Dr. Claudio A. Len (CRM-SP: 59.931)
Pediatra da Clínica Len de Pediatria.
Pediatra formado em 1987 pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria na Escola Paulista de Medicina. Nesta mesma instituição fez Mestrado e Doutorado em Reumatologia Pediátrica e atualmente é Professor da Disciplina de Alergia, Imunologia Clínica e Reumatologia do Departamento de Pediatria. Título de Especialista em Pediatria desde 1990. Médico do Departamento Materno-Infantil do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: